Arquivo mensais:Janeiro 2007

Quem gosta da escola e quem se esforça nos estudos?

formatura da TaináUma pesquisa qualitativa entre os pais de crianças e jovens entre 6 e 17 anos, nos Estados Unidos pode ser resumida assim:

  • 68 ± 4 % gostam da escola.
  • 65 ± 4 % se esforçam nos estudos.

As oscilações de 4% se devem a gênero e raça dos filhos e estado civil e escolaridade dos pais. Confira a matéria no NYT. Em geral gosto de pesquisas deste tipo mesmo sendo cauteloso pois sempre há os que usam as estatísticas para mentir. Números nunca mentem mas, parafraseando um bordão popular, “números são números, nada mais do que números”.

A minha crítica a esta pesquisa é que ela revela apenas a percepção dos pais quanto ao ânimo e empenho dos filhos com a escola e os estudos. Eu, por exemplo, acho que a Tainá (foto) se esforçou bastante nos estudos. Mas a pesquisa é indicativa: a maioria daqueles pais acha que seus filhos gostam da escola e se esforçam nos estudos. Não sei se há pesquisa semelhante fora dos EUA. Os resultados no Brasil, receio, são muito diferentes.
Os números mais relevantes da pesquisa do Census Bureau americano, na minha opinião, é a quantidade dos filhos matriculados em disciplinas especiais avançadas. Não temos o equivalente nas nossas escolas de ensino básico, infelizmente. Estas disciplinas são optativas para os alunos das boas escolas americanas, a maioria pública. É um prêmio para bons alunos e apresenta conteúdos avançados principalmente de matemática e ciências.

  • 24 ± 7 % dos filhos entre 12 e 17 anos estão matriculados em disciplinas avançadas.

A oscilação de 7% é bem maior que as respostas acima e está mais correlacionada, de maneira crescente e com relevância estatística, à escolaridade dos pais. Ainda bem. Os pais que mais estudaram têm mais filhos em disciplinas avançadas.

Voltando à nossa realidade em que os alunos não gostam e até abandonam a escola. Seria produtivo ter uma pesquisa assim em cada escola. No início e no final do ano perguntar aos alunos: No ano passado ou neste ano,

  1. Você gostou da escola?
  2. Você se esforçou nos estudos?

E fazer pergunta semelhante aos pais e aos professores: Vocês acham que os seus alunos ou filhos,

  1. Gostaram da escola?
  2. Se esforçaram nos estudos?

O custo de implementar é baixo. É um trabalho de secretaria e coordenação. Por que não?

MMVII. Feliz 2007!

Feliz 2007 ou MMVII em algarismos romanos!

É um ano comum (não bissexto), começando numa Segunda-feira no calendário Gregoriano. A cada 400 anos os dias da semana se repetem por conta das regras dos anos bissextos: múltiplos de 4 a menos que seja múltiplo de 100 mas não de 400. Em termos numéricos escrevemos:

365+1/4 -1/100+1/400 = 365,2425. Este é aproximadamente o tempo, em dias, para darmos uma volta completa em torno do Sol.
Iniciar o ano numa Segunda-feira ou no Sábado é um pouquinho mais raro do que em outros dias da semana. Para ser exato em 400 anos temos a seguinte distribuição:

  • Domingo: 58
  • Segunda: 56
  • Terça: 58
  • Quarta: 57
  • Quinta: 57
  • Sexta: 58
  • Sábado: 56

A quantidade de anos que começam em um dia dado da semana pode ser obtida no Matlab assim:

>Dia1Jan=zeros(7,1); %% prepara uma matriz coluna
>for Ano=1800:2200; %% qualquer intervalo de 400 anos a partir de 1583
> DiaSemana= weekday(strcat(months(1,:),'-1-',num2str(Ano)));
> Dia1Jan(DiaSemana)=Dia1Jan(DiaSemana)+1;
>end
>Dia1Jan %% mostra o resultado.

Contagem similar pode ser feita com o Mathematica. Veja o artigo em que mostra a maior freqüência de Sexta-feira 13.

Gabriel1ano

O número 2007 não é primo. 2007=3×669. Enfim. Não há nada de espetacular a priori com o ano de 2007 mas teremos 365 dias, isto e’, um pouco mais de 52 semanas, 12 meses ou quatro estações para aprender algo mais sobre o Universo que nos cerca. Sejamos como o Gabriel, 15 meses, que está naquela fase de descobertas fascinantes. Sejamos curiosos! Feliz 2007!